Michelet e o tempo histórico

sábado, 15 de maio de 2010




A história é o tempo[1]. A frase do historiador francês abre uma gama infindável de possibilidades e questionamentos, entre os quais encontra-se aquele que norteia essa investigação. Ela isolada perde seu sentido, portanto buscaremos recolocá-la em sua totalidade, visando apreender dos escritos de seu autor - Jules Michelet- qual a concepção de tempo histórico que permeia sua obra. Nossa investigação será baseada em um capítulo de sua obra[2] e da compreensão do método histórico utilizado por Michelet.

Cabem antes algumas palavras sobre a problemática do tempo. Esse tem várias facetas e já foi modelado de diversas formas. Há quem o tenha resumido a datas. Há outros que o pensaram como uma cadeia de fatos unidos por uma relação causal. Há ainda aqueles que o interpretaram como progresso ou evolução. Seria demasiadamente audacioso tentar esgotar em algumas linhas as diferentes formas como os pensadores já interpretaram o que seria esse tempo. O fato que nos interessa especialmente aqui é que todos eles realizaram uma operação de tentar ordenar e compreender o que foi a experiência humana, que tende a cair no devir. E ao realizar essa operação é criado um arcabouço teórico, que pode estar implícito ou explícito, dentro do qual encontra-se o que buscamos investigar, a concepção de tempo histórico. Ao tentarmos compreender a forma como Michelet realiza essa operação torna-se necessário entendermos a forma como o francês filia-se aos princípios contidos na obra do italiano Giambattista Vico.


Vico foi considerado pelo próprio Michelet como seu único mestre. Há quem considere Vico é tido por alguns como o pai do historicismo alemão do século XIX. Todavia sua obra não se constituiu em um sistema fechado ou acabado, mantendo-se aberta a diversas interpretações e filiações. As inovações propostas pelo italiano são diversas e complexas, de modo que exploraremos aqui os princípios contidos na Ciência Nova que são necessários e elucidativos para a compreensão da forma como Michelet constrói sua concepção de tempo histórico.
Vico busca fundar as bases de uma ciência que, combinando história e filosofia, busque a natureza dos homens e das nações. E, nesse sentido, busca historizar a natureza e os próprios homens. O mundo social, segundo ele, é obra dos homens, logo sua compreensão passa necessariamente pelo entendimento humano da razão humana. Assim sendo o italiano deseja analisar a raça humana como um indivíduo. Dessa forma a análise viquiana se desenvolve, tomando como base que a história passaria por três etapas, uma era dos deuses, permeada por linguagens cifradas e esotéricas ( a poética viquiana), outra dos heróis e por último a dos homens. Essa dinâmica traduziria a chamada história ideal proposta por Vico. Desse modo percebe-se, ainda, a associação dessa dinâmica à Providência, que estaria por trás da trajetória dos homens e seria a guia das ações humanas. A análise viquiana alterna-se entre os costumes dos gentios, do mundo civil e humano e uma concepção cíclica na qual a “evolução” dos homens e da razão os levaria fatalmente a um novo estágio de barbárie, semelhante àquele inicial, quando se separaram os gentios do povo hebreu.

Um aspecto importante de ressaltar da obra de Vico e que é apropriado por Michelet é o caráter orgânico da sociedade. É nesse sentido que deve-se buscar a compreensão das múltiplas facetas da vida humana, considerando impossível dissocia-las e isola-las de seu conjunto.

Vejamos, pois, como Michelet, apropria-se dos conceitos da Ciência Nova ao construir seu método de análise histórica, no qual encontra-se a problemática do tempo que visamos investigar.

Michelet, assim como Vico, junto de seus contemporâneos busca fundar bases legítimas para o conhecimento histórico. Assim sendo sua análise parte dos homens do passado, da necessidade de se compreender o que foi a realidade desses através de suas ações, e não de uma instância metafísica que os guiaria em direção a seu destino. A vida desses homens seria então, na visão de Michelet uma luta constante entre a Liberdade, vista como possibilidade de criação, e a Fatalidade, que seria o encerramento das possibilidades e mesmo o fim da história. É pendulando entre esses dois pratos de uma balança que se desenvolveria o mundo humano.

O historiador francês escreve sua obra como herdeiro que é da revolução de 1789 e do século XIX no qual vive e morre. Esse período, de agitações, emergência de uma nova mentalidade na Europa, pode ser representado pela forma com que se desenvolve a narrativa de Michelet. Por um outro lado o autor visa uma verdadeira imersão do seu leitor na atmosfera dos fatos e eventos que visa narrar. Dessa forma, alternando sobrevôos e detalhamentos a obra de Michelet visa tentar apreender os múltiplos aspectos daquela realidade que, se não fosse pela operação histórica encontrar-se-ia trancafiada no passado.

Desse modo acreditamos ser mais prudente não caracterizarmos o tempo histórico proposto por Michelet como algo singular. Trata-se, na realidade, de tempos históricos que se alternam entre a própria dimensão individual das personagens envolvidas naquele processo e a dimensão desse processo de um modo mais geral, de suas possibilidades e caminhos a trilhar. Assim sua narrativa toma por forma o tom e mesmo o ritmo dos acontecimentos sobre os quais discorre. É o próprio Michelet que pode nos ajudar a compreender a forma como sua mente astuta e complexa opera: Datamos assim curiosamente, minuciosamente, os homens e as questões, e os momentos de cada homem.[3] E seguindo essa linha, sua obra visa uma história da nação francesa, ligando-se necessariamente nessa nação a tradição revolucionária que ecoou durante todo o século XIX na França.

Assim sendo, com uma narrativa envolvente e em ritmos alternados, com detalhes muitas vezes fatigantes, Michelet constrói sua concepção de tempo histórico, um tempo não linear, não evolutivo, não progressista. Pela complexidade do problema torna-se relativamente fácil enunciar o que não seria esse tempo enunciado por Michelet. Outrossim podemos configura-lo como o ponto de confluência entre os diversos tempos que Michelet apreende das sociedades humanas, seja o tempo individual, da consciência dos homens, seja o tempo processual, muitas vezes acelerado dos acontecimentos nos quais os homens encontram-se envolvidos, seja ainda o tempo da luta constante entre a Liberdade e a Fatalidade que transpassaria por toda a história humana.
A
inda que seja impossível formular-se um conceito hermeticamente fechado e claro para o tempo histórico de Michelet, pode-se afirmar que como intelectual Michelet reinventou o tempo e a história[4].

[1] - MICHELET, Jules – Do Método e do Espírito deste Livro. In: História da Revolução Francesa, p.291.
[2] - MICHELET, Jules – Do Método e do Espírito deste Livro. In: História da Revolução Francesa.
[3] - Ibidem.
[4] - SALIBA, E.T. Michelet: as múltiplas faces de um reinventor da história. In.: Grandes Nomes da História Intelectual.

1 comentários:

Prof. Adinalzir disse...

O seu blog como sempre é show de bola!

Meu blog está concorrendo ao prêmio TopBlog 2010. Conto com o seu voto no link abaixo!

http://www.topblog.com.br/2010/index.php?pg=busca&c_b=116942

Abraços,

Prof. Adinalzir Pereira
http://saibahistoria.blogspot.com/

Postar um comentário

Antes de publicarmos o seu comentário ele deverá passar por avaliação da Equipe do Blog. Comentários Anônimos não serão publicados, deixe seu nome ao menos ao final do seu comentário.

Comente este Artigo.
Ou apenas quer entrar em contato conosco? Clique Aqui

Continue a acessar nosso blog e a comentar os artigos.

 
[História em Foco] | by TNB ©2010